A formação do físico nas Instituições de Ensino Superior deve levar em conta tanto as perspectivas tradicionais de atuação dessa profissão, como novas demandas que vêm emergindo nas últimas décadas. Em uma sociedade em rápida transformação, como esta em que hoje vivemos, surgem continuamente novas funções sociais e novos campos de atuação, colocando em questão os paradigmas profissionais anteriores, com perfis já conhecidos e bem estabelecidos. Dessa forma, o desafio é propor uma formação, ao mesmo tempo ampla e flexível, que desenvolva habilidades e conhecimentos necessários às expectativas atuais e a uma capacidade de adequação a diferentes perspectivas de atuação futura.

A diversidade de atividades e atuações pretendidas para o formado em Física necessita de qualificações profissionais básicas comuns, as quais devem corresponder a objetivos claros de formação para todos os cursos de graduação em Física, bacharelados ou licenciaturas, enunciadas sucintamente a seguir, através das competências essenciais desses profissionais.

1. Dominar princípios gerais e fundamentais da Física, estando familiarizado com suas áreas clássica e moderna.
2. Descrever e explicar fenômenos naturais, processos e equipamentos tecnológicos em termos de conceitos, teorias e princípios físicos gerais.
3. Diagnosticar, formular e encaminhar a solução de problemas físicos, experimentais e teóricos, práticos ou abstratos, fazendo uso dos instrumentos laboratoriais ou mamemáticos apropriados
4. Manter atualizada sua cultura científica geral e sua cultura técnica profissional específica.
5. Desenvolver uma ética de atuação profissional e a conseqüente responsabilidade social, compreendendo a Ciência como conhecimento histórico, desenvolvido em diferentes contextos sócio-políticos, culturais e econômicos.


O desenvolvimento das competências apontadas nas considerações anteriores está associado à aquisição de determinadas habilidades, também básicas, a serem completadas por outras competências e habilidades mais específicas, conforme os diversos perfis desejados de atuação. As habilidades gerais, que devem ser desenvolvidas pelos formandos em Física, independentemente da área de atuação escolhida, são as apresentadas a seguir:

1. Utilizar a matemática como uma linguagem para a expressão dos fenômenos naturais.
2. Resolver problemas experimentais, desde seu reconhecimento e realização de medições até a analise de resultados.
3. Propor, elaborar e utilizar modelos físicos, identificando seus domínios de validade.
4. Concentrar esforços e persistir na busca de soluções para problemas de solução complexa e demorada.
5. Utilizar linguagem científica na expressão de conceitos físicos, na descrição de procedimentos de trabalhos científicos e na divulgação de seus resultados.
6. Utilizar os diversos recursos da informática, dispondo de noções de linguagem computacional.
7. Conhecer e absorver novas técnicas, métodos ou uso de instrumentos, tanto em medições como em análise de dados (teóricos ou experimentais).
8. Reconhecer as relações do desenvolvimento da Física com outras áreas do saber, tecnologias e instâncias sociais, especialmente contemporâneas.
9. Apresentar resultados científicos em formas distintas de expressão, tais como relatórios, trabalhos para publicação, seminários e palestras.


As habilidades específicas dependem da área de atuação, em um mercado de mudança contínua, não sendo, portanto, oportuno especificá-los agora. No caso do físico educador, porém, as habilidades e competências específicas devem, necessariamente, incluir também:

1. O planejamento e o desenvolvimento de diferentes experiências didáticas em Física, reconhecendo os elementos relevantes às estratégias adequadas.
2. A elaboração ou adaptação de materiais didáticos de diferentes naturezas, identificando seus objetivos formativos, de aprendizagem e educacionais.


A formação do físico não pode, por outro lado, prescindir de uma série de vivências que tornam o processo educacional mais integrado. São vivências gerais, essenciais ao graduando em Física, por exemplo:

1. Ter realizado experimentos em laboratório
2. Ter tido experiência com o uso de equipamentos de informática
3. Ter feito pesquisas bibliográficas, sabendo identificar e localizar fontes relevantes de informação.
4. Ter entrado em contato com idéias e conceitos fundamentais da Física/Ciência, através da leitura e discussão de textos básicos de divulgação científica (cultura científica).
5. Ter tido a oportunidade de sistematizar seus conhecimentos e/ou seus resultados em um dado assunto, através de, pelo menos, a elaboração de um artigo, comunicação ou monografia.
6. No caso do físico-educador, ter também participado da elaboração e desenvolvimento de atividades de ensino.


Espera-se que as pessoas interessadas em formar-se em Física, tenham:

1. Grande interesse em compreender os fenômenos naturais;
2. Espírito crítico e de observação;
3. Aptidão para lidar com problemas novos;
4. Pensamento abstrato e raciocínio lógico;
5. Bons conhecimentos de matemática O físico, seja qual for sua área de atuação, deve ser um profissional que, apoiado em conhecimentos sólidos e atualizados em Física, deve ser capaz de abordar e tratar problemas novos e tradicionais e deve estar sempre preocupado em buscar novas formas do saber e do fazer científico ou tecnológico. Em todas suas atividades, a atitude de investigação deve estar sempre presente, embora associada a diferentes formas e objetivos de trabalho.
Competências, Habilidades e Vivências Desejadas


Graduação em Física
Universidade Federal do Paraná
CARDÁPIO
RU
HORÁRIO INTERCAMPI
UFPR    Setor de Ciências Exatas    Departamento de Física    Pós-Graduação    Contato    Localização
Curso de Graduação em Física | Universidade Federal do Paraná
Caixa Postal 19044 | 81531-990 | Curitiba | Paraná
Tel: +55-41-3361-3094 | Fax: +55-41-3361-3418